Fixo: 55 11 4232-9671 - WhatsApp: 55 11 94168-5491 contato@avivamissoes.com.br

É muito importante que tenhamos em mente o fato de que a Ceia do Senhor é uma ordenança, instituída pelo próprio Senhor Jesus, na qual os elementos que a compõem: o pão e o vinho (ou suco de uva), são apenas símbolos do corpo e do sangue de Cristo.

Também é importante sabermos que esses elementos (pão e o vinho), não se transformam depois da oração; eles continuam sendo pão e vinho, ou suco de uva. Lembremos que o Senhor Jesus está presente na Ceia, sim, mas espiritualmente…

Segundo as orientações apostólicas, há verdades a serem lem- bradas cada vez que participamos deste memorial, bem como há perigos ou riscos a serem evitados quando desta participação. Nas considerações do Rev. Hernandes Dias Lopes (Ig. Presbiteriana de Vitória/ES), podemos descrever as verdades como:

1) A morte de Cristo,

2) A segunda vinda,

3) O exame de si mesmo, e

4) A comunhão do corpo.

Já quanto aos riscos, podemos notar o seguinte:

1) Participação indigna,

2) Participação sem discernimento, e

3) Participação sem auto-avaliação.

Convém notar que em sua quase totalidade, as igrejas que professam seguir ao Senhor Jesus, praticam esta ordenança à luz de Mateus 26:17-30; Marcos 14:22-26; Lucas 22:17-20 e 1 Coríntios 11:23-33.

SIGNIFICADO

A Ceia do Senhor, ou Santa Ceia, como muitos preferem chamar, é um memorial simbólico. Seu propósito é o de que recordemos a morte de Cristo em nosso lugar. O pão partido fala do corpo de Jesus, machucado, ferido e crucificado, enquanto o vinho (ou suco) nos mostra o sangue derramado que ele, voluntariamente, verteu por nós.

É uma expressão maravilhosa de nossa comunhão com o Senhor, quando nos tornamos participantes de Sua natureza, “comendo sua carne e bebendo seu sangue” (João 6:54-56).

Há neste quesito uma mensagem impressionante: a de que o Senhor quer que nos lembremos dele, não como operador de milagres, ou como um grande mestre, ou ainda como um líder extraordinário, revolucionário, ou quaisquer outros predicados pelos quais O possamos nomear; mas sim, que nos lembremos dele como Salvador dos nossos pecados. Daí o propósito da morte. Ele morreu por nós, em nosso lugar, e então somos salvos.

OS PARTICIPANTES

Será que qualquer pessoa com boa vontade e interesse religioso pode participar, já que é apenas um memorial? Naturalmente, a res- posta é não! Alguns pontos confirmam essa posição.

Note que por ser um ato espiritual, apenas aqueles que estão  na mesma dimensão que o Senhor teriam liberdade para participar. Quando olhamos textos como os de Mateus 26:26 e 1 Coríntios 10:16-22, percebemos que Jesus não ofereceu os elementos à todos, mas apenas aos seus discípulos, e aqueles que não estão servindo  a Deus não têm o direito de participar à mesa com o Senhor. Esse entendimento é confirmado pelo texto de 1 João 1:5-7.

Quando olhamos para a prática apostólica, nas passagens de Atos 2:38,41,42 e Gálatas 3:26-28, notamos que somente aqueles que “receberam a palavra, e perseveraram na doutrina”, e que são batizados no Corpo de Cristo devem participar da Ceia do Senhor.

PRÁTICA

O Senhor Jesus mostrou aos discípulos como participar, mas não especificou quando ou com que frequência.

Aprendemos nas Escrituras que os judeus observavam a Páscoa (prévia do Ceia do Senhor), uma vez ao ano (Êxodo 13:8-10), sendo nessa ocasião que o Mestre instituiu a Ceia. Já os primeiros cristãos, tinham por costume, celebrar a cada primeiro dia da semana (Atos 20:7). Entendemos que celebrar uma vez a cada mês, é um critério equilibrado, pois evita que diminuamos sua importância ao realizar apenas uma vez ao ano, e assim nos esqueçamos da comunhão diária, mas evita também que a banalizemos, perdendo seu significado, realizando-a toda semana. A expressão: “… todas as vezes…” mostra que temos liberdade quanto a esta questão.

Se não temos estabelecida biblicamente, a periodicidade, observemos que cuidados devem ser considerados quanto onde a celebramos.  A Ceia do Senhor é um ato de comunhão entre cada cristão  e o Senhor, e é também um ato de comunhão entre cristãos. Em Atos 20:7, os discípulos se reuniam para partir o pão. Em 1 Coríntios 11:20-22 se distingue entre a Ceia do Senhor, que era o propósito de sua reunião como uma congregação, e as refeições comuns, que eram tomadas nas casas de cristãos. Não encontramos nenhuma autoridade na Bíblia para participar da Ceia do Senhor a sós ou fora da assembléia da igreja. Mesmo quando voce observa Atos 2:46, percebe que não havia individualidade, mas sim a participação daqueles que compunham aquela congregação (“estavam juntos”).

RESPONDA:

1- O que é a Ceia? (1Co 11:23-25)

2- Até quando a Ceia deve ser celebrada? (1Co 11:26)

3- Quem pode participar da Ceia do Senhor? (1 Pd 1:17-21; 1Jo 1:5-7)

4- Como participar da Ceia do Senhor? (1Co 11:27, 28-31)  

5- O que impede uma pessoa de participar da Ceia do Senhor? (1Co 11:27-30)

6- Aquelas pessoas que não fazem muita questão em participar da Ceia do Senhor podem ser consideradas como tendo maturidade espiritual? (João 6:51-56)  

7- Voce já está habilitado para participar com liberdade, da Ceia do Senhor e tem feito isso com alegria abençoadora?

Tarefa: DESAFIO BÍBLICO FASE 2

IMPRIMIR